Make your own free website on Tripod.com
Home | Coluna semanal em "O Primeiro de Janeiro" | M@ils do meu Moinho | A REVOLUÇÃO CONSTITUCIONAL EUROPEIA | Banca de trabalho // Working Papers | Arquivo de posições ultrapassadas sobre a Constituição Europeia II | Identidade, Etnocentrismos e Romance Histórico | DESFAZENDO MITOS UNIVERSITÁRIOS. entrevista ao Prof. François Vallançon | ECOS | Fotos | A sua coluna... | contacte-nos | Arquivos | Arquivo Histórico sobre Constituição Europeia I
HETEROXIAS, de Paulo Ferreira da Cunha
ECOS

Notas de leitura sobre leitura de folhas, livros, filmes, música e cinema... Sempre e só quando e como houver paciência, porque é muito mais importante ler, ver, ouvir...mesmo do que comentar...

Music

Home
Josh Rouse

A quirky sophomore effort by a singer-songwriter to watch. Starts strong ("Marvin Gaye" and "Direction" are standouts) but eventually all the songs begin to sound alike, which is unfortunate. Josh should maybe hire a producer more willing to experiment with his sound.
- Submitted by Patricia

LIVROS

HORIA, Vintila – Dieu est né en exil, ed. L’Âge de L’Homme, trad. port. por Isabel Gentil Penha Ferreira, Deus Nasceu no Exílio, Porto, Âmbar, 2002

Ovídio exilado em Tomos, na Dácia, escreve um diário em que escalpeliza as suas transformações interiores. Primeiro, a saudade de Roma. Sentimento que não pode naturalmente escrever em português, e a que deveríamos por certo chamar apenas nostalgia. ou sentiria já ela a saudade nossa? Problema complexo, linguístico e psicológico...Depois, o encantamento pela terra livre dos Getas, as suas gentes, a sua língua – que chega a aprender. Não se compreende povo algum sem lhe dominar o idioma.

Na ficção apócrifa, o autor não pode deixar de verter a sua experiência (a sua mágoa e a sua aprendizagem) de exilado romeno. Quão semelhante acho eu fado ao meu quando os cotejo. Falamos sempre dos outros com um pouco de nós.

Um círculo como que se fecha: o Império da Pax Romana de Augusto sufoca a liberdade e exila o autor da Arte de Amar. Séculos depois, os totalitarismos nazi e comunista obrigam Vintila Horia a exilar-se também. Quão semelhante

Um livro que nos apela continuamente para o final, e que por isso também se lê numa cadência veloz. E em que paira a permanente sede do divino, da vinda de um novo Deus redentor.

Movies

Rushmore
Wes Anderson, director

One of the sweetest and funniest movies of the 90s. Some people didn't like the main character, but I found him fascinating and charming in a squirmy sort of way. Also one of the best and least contrived happy endings I've seen in a movie recently. Bill Murray is great!
- Submitted by Jim